Passa um Carnaval rico em gastos, pobre em criatividade, e reincide a dura realidade de Caxias

Por admin

Postado em 19/02/2018 16:06:15



O carnaval passou e a banda já não toca mais. A alegria, efêmera, deu lugar a tristeza de uma realidade doentia. Este ano o Reinado de Momo em Caxias (MA) foi pobre. Não que tenha custado pouco para os cofres da municipalidade. Foi um carnaval caro para o povo que bancou a conta. Paradoxalmente, no entanto, embora tenha custado caro, foi pobre. Pobre de criatividade. Reinou o besteirol que incensa os medíocres e só embala elogios de babões.

Este ano a Prefeitura matou o desfile das escolas de samba, uma tradição bonita e alegre que movimentava meio mundo de pessoas e exercitava a criatividade dos nossos carnavalescos e brincantes. Pode um Carnaval sem desfile de escola de samba? Pode, é tosco, mas pode!

Também não teve o Corso, que caminhava para virar outra tradição do carnaval caxiense. Morreu natimorto. Assassinado.

Com as cinza do pós-carnaval, veio a dura realidade atual de Caxias. Na UPA e nos postos de saúde não tem remédio nem para aliviar dor de dente.

Um homem com fortes dores na coluna foi levado para a Unidade de Pronto-Atendimento. O médico plantonista quase não nada pôde fazer. Admitiu ter mandado o paciente de volta para casa porque lá, na UPA, não havia uma Cibalena sequer.

Pobre Caxias!



  Deixe seu comentario aqui



  0 comentário:

Nenhum comentário ainda foi registrado. Seja o primeiro a comentar!

Busca no blog

Sobre Ricardo Marques

Advogado (OAB/MA 9572)
Jornalista (904/MA - MTE)
Radialista (3586/CE - MTE).

Últimos Posts