De produção esmerada, “A Irmandade” aborda cotidiano de facção criminosa sem fazer apologia ao crime; vale muito a pena ver

Por RM

Postado em 03/11/2019 08:34:23



Seu Jorge, impagável na pele do bandido "Edson" 

Seria possível expor aqui vários motivos para dizer que vale a pena assistir a primeira temporada de “A Irmandade”, a nova série brasileira original da Netflix. O enredo trata do submundo da criminalidade com foco no nascimento de uma facção criminosa dentro de um grande presídio. A direção é de Pedro Morelli – o mesmo dos longas "Entre nós" e "Zoom" – entretanto, se alguém falasse que a direção é do José Padilha – “Tropa de Elite”, “O Mecanismo”, “Narcos”... – ninguém iria contestar.

Não que o Morelli procure imitar o Padilha. Nada disso. A semelhança está na qualidade da produção. O filme tem sequências eletrizantes, com tomadas em movimento de câmeras nervosas, que trazem uma sensação de realismo – típico do trabalho de Padilha. O enredo é centrado num bandido, o Edson, magistralmente interpretado pelo Seu Jorge. Aliás, não seria exagero algum afirmar que a performance de Seu Jorge, por si, já valeria a audiência de “A Irmandade”.

Pena que por tratar-se de uma série, devido ao sucesso, inclusive impactando na chegada de novos assinantes, muito provavelmente, deverá vir por aí uma segunda temporada – o que quase sempre não é legal.



  Deixe seu comentario aqui



  0 comentário:

Nenhum comentário ainda foi registrado. Seja o primeiro a comentar!

Busca no blog

Sobre Ricardo Marques

Advogado (OAB/MA 9572)
Jornalista (904/MA - MTE)
Radialista (3586/CE - MTE).

Últimos Posts