Nutrilar declara apoio à candidatura de Cleide Coutinho

Por RM

Postado em 13/08/2018 16:14:57



Cleide Coutinho discursa durante evento em Presidente Dutra

A candidata a deputada estadual Cleide Coutinho (PDT) recebeu apoio formal do Grupo Nutrilar – sediado em Presidente Dutra e considerado um dos mais importantes da região central maranhense. Em evento que reuniu milhares de pessoas para inauguração de um hotel naquela importante cidade, o presidente do Grupo Nutrilar, empresário José Airton Fernandes, apresentou a pedetista ao tempo em que tornou pública a decisão de apoiá-la na corrida por uma das 42 vagas da Assembleia Legislativa do Maranhão (ALEMA).

Além de anunciar apoio à candidata Cleide Coutinho, José Airton Fernandes também apresentou o ex-secretário estadual da Indústria e Comércio, Simplício Araújo (SD), como o candidato do grupo a deputado federal.

O Grupo Nutrilar está no mercado desde 2001 e tem marcante atuação empresarial nos segmentos da indústria de produtos de limpeza (alvejante, amaciante, detergente, sabão, água sanitária, etc.) e de hotelaria.

José Airton Fernandes justificou o apoio à Cleide Coutinho no histórico de atuação da candidata, uma mulher séria, que honra a palavra empenhada e que foi uma deputada atuante, que apresentou proposições pertinentes. O empresário lembrou que a candidata reúne todas as condições para dar prosseguimento ao trabalho do saudoso deputado Humberto Coutinho que muito fez pelo Maranhão.

Durante o evento, que reuniu centenas de trabalhadores, além de importantes   lideranças políticas da cidade e da região, foi realizado um culto evangélico. Cleide Coutinho agradeceu a confiança demonstrada por meio do apoio à sua candidatura e disse que vai continuar trabalhando para fazer do Maranhão um estado cada vez melhor para as pessoas viverem.

  0 Comentários

Os extremistas devem estar sob efeito de chá alucinógeno

Por RM

Postado em 13/08/2018 09:52:57



 

Dois ou três dedos, imagino, já seriam suficientes para eu ficar doidão. Isto porque costumo me embriagar fácil. Com duas ou três latinhas de cerveja já fico animado. Falo desse chá de sabores distintos e efeitos idênticos que tanto lulistas como bolsonaristas parecem tomar em demasia. Um chá alucinógeno, diga-se de passagem, que castra a razão, anula o bom senso e, da noite para o dia, transforma pessoas civilizadas em intolerantes insanos.

A dicotomia entre bolsonaristas e lulistas é viral nas redes sociais. Não há debate, apenas agressões mútuas – muitas das vezes descambando para palavras de baixo calão, inclusive.

A legião que defende a liberdade e consequente candidatura do petista, sob argumentos meramente emocionais, é do mesmo porte daquela que não quer compreender o vazio de ideias do candidato e se regozija dos absurdos sem nexo algum proferidos pelo “mito” todas as vezes que ele é chamado a opinar sobre qualquer tema minimamente relevante.

Esquerda

O País assiste parte significativa da esquerda deixar-se usar num projeto de interesse evidentemente pessoal, sob risco, inclusive, de sacrificar carreiras políticas promissoras, sobretudo nesse ambiente de frustração e falta de lideranças que vive o Brasil.

Fenômeno

Do lado oposto, os que se decepcionaram com o socialismo de compadrio se deixam levar pela onda de devaneios que se espraia em fenômeno parecido com aquele que pariu Collor de Melo e sua turma da Dinda.   

Vexatórias

Então, só acreditando que essa rapaziada dos extremos esteja mesmo sob efeitos de um forte chá alucinógeno qualquer que os induz a deixarem submeter-se ao ridículo de situações que em tempos de normalidade e lucidez seriam compreendidas como vexatórias.

  0 Comentários

Ciro e o SPC

Por RM

Postado em 11/08/2018 09:14:02



 

O nível de conhecimento do candidato Ciro Gomes (PDT) está fora de discussão, sobretudo se levado em conta o da concorrência. Mas, convenhamos, essa proposta de tirar todo mundo da lista de inadimplentes do SPC, além de esdrúxula, tem elementos de populismo desavergonhado. Para um cara que sempre se apresentou acima da média intelectual dos políticos tupiniquins pega mal.

A proposta é tão complicada que até o candidato, de reconhecido talento retórico, tem dificuldade de explicá-la. Durante o debate da Band, na última quinta-feira (09), vez por outra Ciro voltava ao tema para tentar esclarecê-lo. Fracassou. 

Na avaliação deste redator, a tal proposta cheira a invencionice de algum marqueteiro de olho no filão de eleitores órfãos do PT – muitos, inclusive, nem se deram conta ainda que existe um defunto na sala, talvez porque não tenham vislumbrado uma alternativa minimamente capaz de ocupar o vácuo petista, com propostas populistas, tal qual essa do SPC de Ciro.

Assim, a proposta de “limpar” o histórico de mau pagadores e velhacos teria o objetivo de convencer a parte mais incauta do eleitorado, observando que o brasileiro, por cultura mesmo, adora viver às expensas do erário público – o pleonasmo aqui foi proposital, para dar densidade a essa mania do nosso povo de querer facilidades para tudo, sem nenhum sacrifício em troca, tipo os bolsas da vida.

Chacota

Pior que Ciro e sua proposta viraram memes de mensagens sarcásticas que viralizaram nas redes sociais – como aquela acima.

Vala comum

Além daquilo já exposto acima, a famigerada proposta cirista joga numa vala comum o cidadão honesto – pagador de suas dívidas e cumpridor das suas obrigações ­– e o velhaco, mau pagador.

Reparação de danos

O cidadão de bem que tem o nome equivocadamente incluído no rol de inadimplentes do SPC tem o caminho da justiça para requer os devidos reparos morais e materiais ­– quando for o caso.

Responsabilidade objetiva

Aliás, nos casos de nome negativado indevidamente, nem há muito o que ser discutido, pois a reponsabilidade é objetiva, ou seja, para ser comprovada independe da aferição de culpa no envolvimento do agente causador da negativação.

  0 Comentários

Saulo Pinto lança candidatura ao Senado pelo PSOL

Por RM

Postado em 10/08/2018 15:02:27



 

Neste sábado(11), a partir das 9h, no hotel Abbevile,  o integrante do Partido Socialismo e Liberdade, PSOL, Saulo Pinto (foto), promove o lançamento de sua pré-candidatura a senador da república.

Considerado por alguns como candidato de ultra esquerda, ele  irá propor no lançamento de sua pré-candidatura um programa econômico orientado pelos interesses da maioria pobre e oprimida, na defesa da igualdade e da soberania popular.

Em comparação a outros candidatos ao senado, Saulo Pinto,  se diz um candidato independente, que não tem ligação com grupos econômicos ou oligárquicos. Seu compromisso, assim com o do partido, é com os interesses do povo,  dos movimentos populares.

“Sou um candidato independente, pois lutamos contra as desigualdades e todas as formas de opressão. Isso exige que sejamos autofinanciados pelos trabalhadores, ativistas e militantes. Não fazemos acordo com oligarcas, não nos misturamos em escândalos de corrupção, pautamos nossa militância na ética e honestidade. Defendo a renovação na política e a soberania popular, de baixo para cima”.   

O pré-candidato ao Senado, tem 36 anos,  é graduado em economia, especialista em sociologia, mestre em história social e doutorando em políticas públicas. Atualmente é professor do Departamento de Economia da UFMA e dirigente da Associação dos Professores.

Fonte: Ascom

  0 Comentários

Ciro e Alckmin foram os melhores em debate de nível sofrível na Band

Por RM

Postado em 10/08/2018 09:14:30



 

Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alkmin (PSDB) – apresentaram os melhores desempenhos no debate entre os candidatos à Presidência da República promovido pelo Grupo Bandeirantes na noite desta quinta-feira (09) - o primeiro da atual corrida eleitoral.  Os dois foram, de longe, os que melhor se saíram, com ligeira vantagem a favor do pedetista, até pela sua notória eloquência, qualidade que o tucano definitivamente não tem.

Verdade que não foi aqueeeeele DEBATE que o Brasil tanto precisa. Mas, convenhamos, com o nível dos candidatos que aí estão não havia porquê imaginar que seria diferente.

Líder nas pesquisas, Jair Bolsonaro (PSL) se desmilinguiu já no primeiro bloco - mostrou-se um completo parvo. Álvaro Dias (Pode) esteve monotemático. Henrique Meirelles (MDB) foi enfadonho o tempo todo. Marina Silva (Rede) a insossa de sempre.

O próprio debate em si foi insosso. 

A grata surpresa foi o candidato Guilherme Boulos (PSOL), que pareceu não ser tão raivoso quanto costumam aparentar os socialistas de extrema-esquerda - aliás, se tivesse um mínimo de estrutura partidária seria um candidato competitivo. 

E teve o Cabo Daciolo (Patriota), que, de tão exótico tem tudo para polarizar com o “mito” na disputa do mais imbecil - pela fala sem nexo, verdadeiro besteirol.

Cacoetes

Embora tenha se saído melhor - na avaliação deste redator -, Ciro precisa corrigir alguns cacoetes que lhe prejudicam o desempenho, como o de sorrir ao falar sobre assunto sério - denota arrogância. 

Tirou onda

Não que o pedetista não possa ser sarcástico vez em quando. Até deve. Como o foi, aliás, no 4º bloco, quando tirou onda da obtusidade do “mito” - nem o Boechat se conteve.

Tirou onda II

Em outra tirada de onda, após ser questionado com uma pergunta sem nexo, o pedetista justificou a presença de Daciolo como “um preço que a democracia está obrigada a pagar”. Mais direto impossível, e ainda assim o cabo não entendeu.

E o PT?

Dançou e foi o que efetivamente mais perdeu devido a ausência de ontem. A Band agiu certo ao não permitir a participação de Fernando Hadadd, anunciado vice na chapa do PT. O debate foi previamente anunciado entre candidatos a presidente e não vices.

E o PCdoB?

Idem o PT.

Kamikases?

PT e PCdoB precisam sair do transe e compreender que não são o centro do mundo. Ou estariam os dois dispostos mesmo a fazer o papel de kamikazes?

Contextualização

Para uma melhor compreensão contextual do amigo leitor do que está dito acima, este redator esclarece que segue pré-disposto a votar no candidato Álvaro Dias (Pode), pelo conjunto da obra resultado da atuação do político paranaense, como governador e senador. Porém, o candidato precisa demonstrar que tem uma visão mais alargada acerca dos problemas do País, que não se resumem à corrupção e muito menos serão resolvidos pelo juiz Sérgio Moro, como parece crer o presidenciável.

  0 Comentários

Prédios públicos e até cidades com nomes de pessoas vivas ainda são aberrações comuns no Maranhão

Por RM

Postado em 09/08/2018 19:45:41



Excrescência: o prédio do Tribunal de Contas do Maranhão tinha o nome da então governadora 

A Assembleia Legislativa do Maranhão aprovou, em segunda votação, a PEC do Executivo, que veda nome de pessoas vivas em órgãos e logradouros públicos. Embora seja uma prática comum – sobretudo aqui, no Maranhão –, dar nome de pessoa viva a prédio público viola o artigo 37 da Constituição Federal, que determina a proibição de prática de atos de promoção pessoal por meio de bens públicos, e também os artigos 1º, 2º e 3º da Lei n.º 6.454/1997, que proíbem o uso do nome de pessoas vivas para identificar e nomear bens públicos.

Ainda assim, esse tipo de situação é mais comum do que muita gente imagina.

A questão tem sido bem recorrente no Maranhão e está aí para todo mundo ver. Não há cidade no estado que não tenha pelo menos uma escola, uma rua, uma ponte, um hospital... ou outro logradouro público qualquer com o nome de José Sarney, Roseana Sarney e Edison Lobão. O problema existe e é histórico.

Tem até cidades com nomes de políticos vivos – Presidente Sarney e Governador Edison Lobão –, uma afronta à lei que, de tão comum por aqui, a gente se acostumou e passou aceitar como se fosse uma prática legal.

Nem o TCE-MA escapou

A excrescência das excrescências ocorreu durante os governos Roseana Sarney, quando o Tribunal de Contas do Estado do Maranhão (TCE-MA) estampava na fachada da sede do órgão o nome da então mandatária estadual maranhense (foto acima). 

Situação em Caxias

Em Caxias não é diferente. Aqui tem uma penca de prédios públicos que carregam nomes de políticos ainda vivos – alguns notórios corruptos dão nomes a escolas, inclusive.

Voto vencido 

Quando estava no exercício da vereança, este redator até tentou que se retirassem os nomes de pessoas vivas desses prédios – há muitos espalhados pelo município. Meus colegas vereadores da época foram contra. Alguns porque tinham seus próprios nomes estampados em fachadas de prédios municipais. Outros, simplesmente não queriam se indispor com pessoas amigas, ainda que ilegalmente “homenageadas”.

  0 Comentários

Sentença de Coroatá não deve ser subestimada

Por RM

Postado em 09/08/2018 08:56:51



O Facebook revelou o grau de intimidade da juíza com os Sarney

 A página pessoal da juíza de Coroatá no Facebook expôs o grau de intimidade da magistrada com a família Sarney (imagem acima). Pegou muito mal! Compungida, a meritíssima excluiu sua página inteira da rede social. Neste ponto, ela vacilou e desqualificá-la é uma iniciativa acertada, mas só serve para rebater as opiniões contrárias no ambiente frenético das redes sociais. Do ponto de vista jurídico este redator se esquiva de comentar por não ter tido acesso aos autos. Mas está evidente que a decisão judicial, ainda que em primeira instância – o que limita os seus efeitos –, serviu ao propósito de criar um factóide contra o governador Flávio Dino (PCdoB) que segue em céu de brigadeiro rumo à reeleição.

Entretanto, a tal decisão é grave porque abre o perigoso e quase sempre imprevisível caminho de judicializar as eleições no Maranhão. Sem a menor viabilidade de disputar o Governo do Estado no voto, de igual para igual, resta à oligarquia tentar voltar ao poder pela via do tapetão. A estratégia está óbvia e há meses vem sendo colocada em prática. Este blog, aliás, tem alertado quanto a isto (reveja aqui).

Roseana não queria sair candidata. Conhecedora do cenário político-eleitoral do Maranhão por meio de várias pesquisas para consumo interno, a Branca sabe que no contexto atual vencer o governador Flávio Dino no voto é tarefa das mais difíceis, quase impossível. Primeira mulher a governar um Estado, quatro vezes governadora ainda que numa delas pela via do tapetão , uma derrota fragorosa, em tom de humilhação, seria prejudicial à sua biografia.  Daí porque Branca relutou tanto para aceitar ser novamente a candidata do grupo Sarney.

Questão de sobrevivência

Ocorre que a família com seus tentáculos não pode prescindir do poder. A estrutura dos núcleos da oligarquia precisa da máquina pública estadual para sobreviver, sobretudo agora, quando o horizonte aponta que pela primeira vez o MDB poderá ficar de fora do poder emanado do Palácio do Planalto, algo sem precedente na história republicana do País.

O convencimento

Foi aí que entrou em cena o velho José, profundo conhecedor dos meandros do submundo do poder, nas suas mais diferentes esferas e vertentes. Operador de bastidores dos mais competentes, o patriarca convenceu a filha da necessidade de se ter um nome com um mínimo de densidade eleitoral para buscar, pelo menos, eleger um representante no Senado.

A estratégia

Ocorre que a corrida eleitoral senatorial se mostrou tão adversa às pretensões oligárquicas quanto aquela para o Palácio dos Leões. O desespero certamente bateu. Roseana ameaçou dar para trás, inclusive,  abdicar da candidatura. O velho José pode tê-la convencido novamente, com o argumento de recorrer à mesma estratégia usada para cassar Jackson Lago e Dilma Rousseff.

Fica o alerta

Daí porque, ainda que as desqualificações de praxe sejam importantes para o contraponto no debate midiático, os comunistas devem ficar alertas e de olhos bem abertos, senão o cachimbo cai.

  0 Comentários

O poder virou a cabeça do “Cabeludo”

Por RM

Postado em 08/08/2018 11:04:35



Zé e Fábio Gentil, quer dizer que quem não votar no pai do prefeito tá lascado?

Nem todo mundo está preparado para o exercício do poder. O poder é uma arma perigosa, que sempre atrai bajuladores e aproveitadores de plantão, sobretudo num ambiente onde a oposição não tenha onde externar suas opiniões e expor as mazelas da comunidade. É o caso do prefeito de Caxias, Fábio Gentil. 

Jovem que ascendeu ao cargo por força do acaso – mais por conta dos erros de seu adversário durante o processo eleitoral do que propriamente dos seus acertos –, o mandatário municipal caxiense conhece como poucos a história recente da cidade, porque influenciou os bastidores do poder durante 20 anos, tempo em que exerceu cinco mandatos consecutivos de vereador. Fora o fato de o “Cabeludo” ter nascido na órbita do poder – o pai, Zé Gentil, foi influente político durante as décadas de 60, 70 e 80.

Portanto, Fábio Gentil já viu de tudo na vida pública, inclusive erros político-administrativos que resultaram – ou no mínimo tiveram forte influência – na derrocada de muitos prefeitos, mesmo de alguns que se achavam donos da cidade.

Os casos da Escola Tia Joana, no início dos anos 2000, durante o governo Márcia Marinho, e mais recentemente o da Clínica Santa Terezinha, na gestão Leo Coutinho, são emblemáticos e entraram para os registros da municipalidade caxiense, sobretudo pela influência que tiveram na derrota eleitoral dos respectivos mandatários, na época à frente de grupos políticos bem mais consolidados, aliás, que o hoje liderado pelo “Cabeludo”.

Agora, que estar prefeito, Fábio Gentil esquece a História e persegue uma professora que dedicou a vida a uma importante escola comunitária que atende a cerca de 600 crianças de famílias humildes, moradoras de um populoso e carente bairro da cidade. E tudo, simplesmente, porque Marlizete não aceitou sujeitar-se à imposição de votar no pai do “Cabeludo”.

Os Gentil já foram vítimas                                                               

A própria família do “Cabeludo” já foi vítima desse tipo de perseguição insana, no começo dos anos 90, quando o então prefeito Paulo Marinho cortou recursos e obrigou a família Gentil a fechar o Hospital Gentil Filho – na época privado, mas que fazia atendimento público.

Os Gentil sentiram na pele

Naquela época, amparados por uma multidão sensibilizada pela situação que prejudicava a comunidade, os Gentil foram às ruas. Houve confronto na porta da Prefeitura. Empurrada pelo prefeito Maracutaia, a mãe de Fábio, Dona Rosário, caiu e quebrou um braço.

Foi um dos acontecimentos mais trágicos na história político-administrativa do município.

Tempo para o bom senso

Ainda há tempo de o “Cabeludo” refletir melhor e voltar atrás, seria até enxergado como um gesto nobre, carregado de humildade e prudência – que nem aquele, dele mesmo, inclusive, na questão da imagem da santa que seria erguida no Mirante da Balaiada.

Vozes da razão 

No círculo íntimo de interlocução do poder gentiliano não existem somente bajuladores incendiários, há também valorosos conselheiros. O problema é que, como registrado na história, o mandatário de plantão não costuma dar ouvidos àquelas vozes mais sensatas, ainda que estejam carregadas de razão.

  3 Comentários

Coligação PSL/PRTB lança maior número de candidatos genuinamente caxienses

Por RM

Postado em 07/08/2018 17:00:52



 

O blogueiro Luís Carlos Sampaio com os candidatos Cesar Sabá (ao centro) e José de Arimatea e Silva

A coligação formada pelo PSL e PRTB, que tem como candidata ao Governo do Estado a ex-prefeita de Lago da Pedra, Maura Jorge (PSL), é a que apresenta o maior número de candidatos genuinamente caxienses ou domiciliados em Caxias.

São quatro candidatos a deputado federal: o empresário e radialista César Sabá; a ex-vereadora de Caxias Tânia Cantalice; o advogado Luís Carlos Moura; e a pastora Bruna, líder de uma congregação evangélica no Povoado Brejinho.

Para deputado estadual a coligação oficializou, também na convenção do último sábado (04), o nome do militar reformado da Marinha e professor José de Arimateia e Silva, que articulou seu nome para concorrer a uma vaga na Câmara Federal, tendo sido, porém, convencido pela cúpula partidária a abrir mão de disputar vaga para federal e concorrer à Assembleia Legislativa.

Além dos candidatos acima citados, todos filiados ao PSL, também tiveram seus nomes referendados pela convenção a ex-prefeita de São João do Sóter, Luiza Rocha (PRTB), que é candidata a deputada estadual - ela é esposa do igualmente ex-prefeito daquele município, Clodomir Rocha -, e o ex-vereador de Caxias Manoel da Caçamba (PSL), que também concorre a uma vaga na Assembleia Legislativa.

 

  0 Comentários

Catulé Jr. se manifesta sobre exclusão da 1ª suplência de José Reinaldo Tavares

Por RM

Postado em 07/08/2018 15:39:01



 

Em nota de esclarecimento encaminhada na tarde desta terça-feira (07) por meio da sua Assessoria de Imprensa, o ex-secretário municipal de Governo de Caxias, Catulé Jr. (foto), se manifestou sobre a exclusão de seu nome da 1ª suplência do candidato ao Senado José Reinaldo Tavares na chapa majoritária do PSDB.

Seque a íntegra da nota:

*NOTA DE ESCLARECIMENTO*

 Em respeito às pessoas que gostam, torcem e me apoiaram nessa caminhada rumo à primeira suplência do então pré-candidato Zé Reinaldo, venho a público fazer algumas considerações.

Embora tenha havido o convite do ex-governador Zé Reinaldo Tavares para que nós integrássemos à chapa, convite este feito ao grupo político do prefeito Fábio Gentil, a cúpula partidária do PSDB, usando de critérios muito próprios, definiu outro direcionamento em relação ao assunto.

Baseado nesses critérios, resolveram nos oferecer a segunda suplência. Entendemos que Caxias, pela sua importância e referência no Estado do Maranhão, não poderia ser tratada de uma forma diferente daquela que havia sido combinada, e por essa razão resolvemos declinar da indicação.

Apesar do ocorrido, continuamos tranquilos, unidos ao grupo do prefeito Fábio Gentil, torcendo pelo ex-governador Zé Reinaldo, a quem aproveito a oportunidade para reiterar toda a minha admiração e respeito, visto que a decisão do novo direcionamento não coube a ele e sim à cúpula do partido.

Como sempre digo, continuarei tocando a minha vida defendendo as bandeiras que acredito, com a alma pura e o coração leve. Vida que segue!

Catulé Júnior

  0 Comentários

Busca no blog

Sobre Ricardo Marques

Advogado (OAB/MA 9572)
Jornalista (904/MA - MTE)
Radialista (3586/CE - MTE).

Charges

Últimos Posts